Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 6 de abril de 2011

The Love Bug - O Amor é um bug (?) :)

Boa noite, meninas e meninos - parece que é nestas horas que eu produzo mais, por isso há que aproveitar...

Mais uma insónia patrocinada pelo actual estado de coisas, mais uma quente e fascinante noite passada de rato em riste e teclado em prontidão - e como tal, urge falar de algo que me induza uma sensação de profundo relaxamento, uma espécie de nirvana emocional e físico, um sentimento descontente...

Estava a carregar o meu iPhone, companheiro de muitas aventuras e desventuras, a sincronizá-lo com o iTunes - que os meus gostos musicais eclécticos não se compadecem de ninharias como "espaço livre na memória" - enquanto abria o Live Mail, o Facebook, o IMdb, o Gametrailers, o IGN, o Meetic, o Badoo, o Zoosk - the usual...

Enfim, uma miríade de janelas e janelinhas polulavam no meu ecrã de 24", cada uma chamando a atenção para "updates", "feeds", "newsflashes" e outros nomes esotéricos - habituado a estas lides, aguardava placidamente pelo actualizar das imagens e das mensagens, quando tive uma das minhas epifanias patenteadas, daquelas que dão direito a uma lâmpada de incandescência (mas verde, que eu sou ecológico no pensamento) a parpadear aproximadamente 15 cm acima do meu ocipital.

Num mundo tão electrónico, em que o dia-a-dia de todos nós já não dispensa algum módico de tecnologia, ter-se-á o próprio amor reduzido a uma prosaica falha de software? Um pedacinho de código hiperactivo sem Ritalin?

Em suma, será o amor um "bug"? Ou talvez um "vírus"? Um "trojan"? Quiça um "worm"?

Os "sintomas" que afectam a nossa máquina senciente parecem indicar que sim - gera comportamentos erráticos e aleatórios, espasmos involuntários físicos e mentais, manifestações públicas de nítida perturbação emocional, ausência de instintos básicos de sobrevivência - como comer e beber, perda de noção da realidade, com alucinações frequentes em que julgamos ser imortais, invencíveis ou ter uma conta bancária sem fundo e faz-nos incorrer em situações em que nunca nos imiscuiriamos se o dedinho de testa estivesse a operar normalmente...

As outras espécies animais, mono ou poligâmicas, reservam as suas energias copulativas para alturas próprias em que os seus comportamentos, digamos, aparvalhados, são perfeitamente aceitáveis e compreensíveis - já os seres humanos, quando infectados pelo bug do amor, deitam as convenções às urtigas e trazem à tona o melhor e o pior do seu código-fonte, faça chuva ou faça sol, em todas as estações do ano, sem pausa para o café.

Tal como um erro de programação de um engenheiro informático que fez tudo à matroca, o amor é o que os americanos chamam um "game-changer" - ou, como diz uma conhecida música, "love, love changes everything" - um ditado ancestral afirma ainda que "all is fair in love and war" - topem-me bem a gravidade deste estado de coisas!

Quando o nosso pobre sistema operativo está "comprometido" pelo bug, as regras mais elementares da previsibilidade e do senso-comum saem pela janela (sem asas e agarradas a uma bigorna) - temos janelas que abrem sem querermos, aplicações que fecham sem mandarmos e uma imensidão de coisas que deixaram de funcionar sem percebermos porquê - e ligar e voltar a ligar não resulta, porque o raio do botão não existe...

Para nossa infelicidade, o ser humano versão 2.0 ainda não está disponível nas lojas, pelo que temos de nos contentar com esta "release" - sem firewall, sem antivirus, sem backups, sem botão de reset e sem a mínima ideia do que está a fazer.

O amor, seja como o "vírus" que se infiltra nas nossa defesas e nos deixa de rastos, o "trojan" que entrou mascarado de amizade inocente e era afinal algo de muito mais sórdido, o "worm" que sobrecarrega os nossos sentidos com pedidos de tempo de processador que já não podemos dispensar ou o tal "bug", que nos desorienta, de forma imprevisível, e nos vira o mundo do avesso, o amor é único...

O amor é uma aventura permanente, a força mais poderosa da criação, capaz das maiores cretinices, mas simultaneamente dos mais doces momentos de candura, coragem e abnegação - o amor transforma o mundo todos os dias, sempre que alguém se apaixona, sempre que um enamorado sorri, sempre que um americano dança à chuva enquanto canta, sempre que uma cantora de burlesque o nega, do topo do seu elefante...

O amor trouxe-nos até aqui hoje, mover-nos-á para ali amanhã e acabará por nos deixar acolá quando menos o esperarmos - como convém a um código malicioso, criado com o propósito único de semear a confusão, o descontrole e criancinhas :)

Por mais vezes que o meu sistema tenha tido de ser formatado, por mais instãncias em que tive de tentar reconstruir o meu disco rígido a partir de caquinhos, por todas as ocasiões em que reconheci todos os sinais de perigo e não fiz backups... Valeu sempre a pena. Sempre.

Não trocava nenhum momento de alegre inconstância por um sistema matemático inviolável e enfadonho, em que tudo tem o seu lugar, tempo e sentido.

Um dia destes a ver se desligo a firewall, deixo de actualizar o anti-virus e relego os backups para ao pé da minha coleção de VHS - que já é tempo de voltar a sentir o vento no rosto, outra vez...

Esse dia pode ser já hoje... Mundo, estás feito :)




4 comentários:

  1. Uhhhhhhh...cuidado ;D irás tu sair da tua "caverna hightech"???? Virús ou não, parece-me que este será daqueles que vale a pena a infecção. As mudanças que se dão quando já estamos infectados...ou mehor ainda, quando está o próprio do virús a entrar-nos no corpito, são do melhor que há. Independentemente do final...da cura...da recuperação mais ou menos lenta...a fase da virose é tãããããããããããão boa :D
    Benvindo ao mundo dos que gostam de uma ou outra boa infecção ;D

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez um brilhante post. De facto estou prestes a chegar à conclusão de que o amor, é mesmo semelhante a um “vírus”, e por vezes da pior estirpe que ataca o nosso sistema operativo quando menos estamos à espera, deixando-nos completamente “tãtans”, “parvinhos”, “totós”, e por vezes sem defesas...enfim!!! E quando isso acontece, não há anti-vírus, nem firewall, absolutamente nada que o possa impedir de entrar...ninguém está imune!!

    Podes sempre tentar formatar o disco rígido do teu coração, e quem sabe, voltar a instalar todo o software emocional com todas as actualizações possíveis e imaginárias, mas ainda assim, se o vírus for multi-resistente, o sucesso não é nada garantido.

    Então o que fazer?! Como diz o velho ditado: “Se não podes vencê-los, junta-te a eles”...nesses casos nada mais há a fazer a não ser resignarmo-nos e tentar tirar o melhor partido possível desta terrível virose, que nos deixa completamente aturdidos, desprovidos de raciocínio lógico e que nos leva a cometer as maiores “loucuras”, tudo em prol daquilo a que chamamos “amor”.

    Por isso, vamos aproveitar o lado bom das viroses, (sim, porque também existem momentos bons!!:p), viver um dia de cada vez, saborear cada momento como se fosse o último, e acima de tudo...Sermos felizes!! Bujinho grande!! Sandra G

    ResponderEliminar
  3. Tenho que te começar por dizer que há vários tipos de "amores". O amor que temos aos nossos familiares, aos amigos, a amizade pura também é uma espécie de amor e ao contrário do que as mentes mal-intecionadas, pessoas de sexo diferente podem ser amigas. Ou seja, não implica que temos de ter relações sexuais com todos os que amamos.
    E depois à questão "do fazer amor" ou "dormir com", fruto das traduções dos filmes e das novelas. Na minha opinião o amor não se faz, constrói-se, mas enfim...

    No relativo há relação entre duas pessoas a que te referes, o bug ou o "trojan", não é mais do que conflitos de egos, feitios e maneiras de ser e de estar. E isto é muito complicado, muito mesmo.
    Estar com uma pessoa e pensar, como é que me vou desembaraçar, ou como deixei chegar a relação a este ponto. São ciências não exactas, não há respostas certas ou caminhos mais acertados.
    Fundamentalmente, numa relação é o relacionamento (esta é um bocado Zen), são as pessoas darem-se bem, viver na mesma casa, respeitando o espaço de cada um, não haver "asfixia" de um sobre o outro.

    E quando assim é ...! As coisas até podem resultar, sem a necessidade de recorrer a anti-vírus.
    Sem esquecer, que o ser humano tem uma enorme capacidade de se ir adaptando às viroses, sempre prontos para novas estirpes.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. The Seven Luck Casino is considered one of two casinos in Seoul, South Korea that offer poker. But even with a pleasant edge on 코인카지노 the opposition, she or he might not be sufficiently higher to beat the sport with its stiff rake. Ø Three to 5 years experience casino/hotel, customer service, host or other account administration experience required . Three to 5 years of experience casino/hotel, customer service, host or other account administration experience required . Once you join, find a way to|you possibly can} benefit of|benefit from|reap the advantages of} many alternative promotions similar to welcome bonuses and free spin offers.

    ResponderEliminar